sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Ética Utilitarista

John Stuart Mill
O utilitarismo como corrente de pensamento no campo da ética e da filosofia política tem sua origem principalmente nas ideias do pensador francês Claude-Adrien Helvétius (1715-71) e do inglês Jeremy Bentham (1748-1832), este influenciado por Helvétius. Esses pensadores formularam o “princípio de utilidade” como critério do valor moral de um ato. De acordo com este princípio universal, o bem seria aquilo que maximiza o benefício e reduz a dor ou o sofrimento. Terão mais valor de um ponto de vista ético, portanto, as ações que beneficiarem o maior número de pessoas possível. Trata-se de uma concepção que avalia o caráter ético de uma atitude a partir do ponto de vista de suas consequências ou resultados. Este princípio difundiu-se bastante no século XVIII, durante o Iluminismo, por ir ao encontro de um  projeto de reforma social. Constitui-se ao mesmo tempo em um princípio de aplicação prática, inspirando inclusive a Revolução Francesa (1789), que chegou a conceder a Bentham o título de “cidadão honorário”. O útil (useful) é entendido como aquilo que contribui para o bem-estar geral. No entanto, o utilitarismo foi bastante criticado por pensadores racionalistas, por exemplo, Kant, adversário da ética das consequências.

terça-feira, 29 de outubro de 2013

I CAFÉ FILOSÓFICO





Clique na imagem para aumentá-la

Observando o princípio tipicamente kantiano, no que tange ao ensino de filosofia, e em conformidade com os objetivos dos parâmetros curriculares para a disciplina de Filosofia do Estado de São Paulo, que propõem “ensinar a filosofar”, é que idealizamos a realização do I Café Filosófico em nossa escola, sob o tema: “O conhecimento na Filosofia Antiga”, como um produto conclusivo do trabalho desenvolvido ao longo do ano e mais especificamente deste semestre, organizado pelos alunos dos Grupos de Estudos de Filosofia, sob a orientação do professor Weslay A. Maia.
No final do primeiro semestre deste ano, verificou-se um interesse crescente nas aulas de Filosofia. E para não desperdiçar este interesse dos alunos, ao retornar das férias, foram criados dois grupos de Estudos, que se intercalam às quartas-feiras, após o horário de aulas, sem possuir qualquer vínculo com as avaliações regulares da disciplina.
Para os encontros, foi adotado o livro “Textos básicos de filosofia: dos pré-socráticos a Wittgenstein” de Danilo Marcondes (Editora Zahar), do qual escolhemos alguns textos para reflexão e discussão. Após cada encontro, um aluno fica responsável por elaborar um resumo sobre as ideias apresentadas na discussão e enviá-lo ao professor, para que seja publicado no Blog, criado para ser mais um meio de interação entre o docente, os alunos e os conteúdos abordados em aula e fora dela, disponível no seguinte endereço: <http://www.filosofaremaulas.blogspot.com.br>.
No decorrer destes encontros, pensou-se em encerrar o ano letivo com um evento que unisse, ao mesmo tempo, formação e experiência filosófica com dinamismo e criatividade, além de constituir-se uma novidade para a realidade da escola. Desta forma, planejamos a realização do I Café Filosófico, que deverá proporcionar aos alunos uma experiência, muitas vezes apenas assistida de longe, nos canais televisivos e/ou na internet.

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Atividade - Ética kantiana - 3ºAno

Para aqueles alunos que faltaram no dia da aplicação desta atividade, segue aqui o vídeo e as questões a serem respondidas para entregar-me.

Após o vídeo, responda:

domingo, 20 de outubro de 2013

Ética Kantiana - ESQUEMAS

Immanuel Kant (1724-1804)

Filósofo importantíssimo da era moderna, nasceu numa pequena cidade da Prússia (atual Alemanha). Era filho de artesão humilde, que trabalhava com artigos de couro. Estudou no Colégio Fridericianum e na Universidade de Königsberg, na qual tornou-se professor catedrático, depois de alguns anos como preceptor de filhos de famílias ricas. Kant não casou nem teve filhos. Faleceu sem nunca ter saído da cidade onde nasceu. Era um homem extremamente metódico, de pequena estatura e físico frágil.

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Nova Página - Alunos DESTAQUES


Agora temos um novo espaço reservado no Blog!!!!


Voltado para o reconhecimento do mérito, do esforço e empenho dos alunos que, ao participarem ativamente das aulas, realizarem satisfatoriamente as atividades, além de apresentarem outras qualidades, alcançam um ótimo rendimento na disciplina.

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Ética Aristotélica - Esquemas

Durante as aulas sobre Ética aristotélica...

Utilizamos esquemas que sintetizam as ideias abordadas pelo filósofo acerca do tema. Eles foram confeccionados à partir do livro "Introdução à Ética Filosófica" de Henrique Cláudio de Lima Vaz (Editora Loyola), um excelente material para estudar o assunto.

Vídeos utilizados na Avaliação de Filosofia - Conteúdo de Ética

Na avaliação deste bimestre...

Os 2ºs Anos assistiram um vídeo da série "Vai fazer o quê?", do Fantástico, para refletirem sobre os comportamentos e pressupostos dos mesmos, do ponto de vista ético.

Responderam às seguintes questões:
  1. O que leva alguém a interferir diante do que assistimos?
  2. De acordo com o que estudamos sobre o Desenvolvimento Moral (Teoria de Lawrence Kohlberg), a partir de que estágio moral, uma pessoa não ficaria indiferente à situação e interferiria? Justifique.
  3. Faça uma releitura da situação e diga qual seria a sua atitude. Justifique-a eticamente.
Os vídeos podem ser assistidos aqui, na página VÍDEOS
Boa reflexão!

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Relatório sobre Heráclito de Éfeso - Grupo 1

Filosofia Pré-socrática - Heráclito de Éfeso (séc VI - V a.C)
Encontro realizado em 18/09/2013


Na reunião passada, estudamos o filosofo pré-socrático Heráclito de Éfeso.
Vimos alguns fragmentos antigos, que apontavam o seu pensamento, muito diferente do que havíamos visto com Parmênides.

Nesses fragmentos, Heráclito cita o Lógos, que pode ser entendido como “Razão”, “Palavra”, “Discurso”. O Lógos está acima de tudo, até mesmo de deuses. É ele que impõe medida ao movimento da natureza, o qual é concebido como alternância entre contrários. 

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Primeiro Relatório do Grupo de Estudos Sophia

Parmênides de Eleia  e sua concepção Monista do "ser"
Filosofia Pré-Socrática / Cosmológica 
Encontro do dia 11/09/13

Segundo as discussões do último encontro do Grupo de Estudos Sophia (Σοφία), temos como característica dos filósofos cosmológicos, a passagem gradual das concepções míticas (Cosmogônicas) à explicação sobre a natureza por ela mesma. Dentre estes filósofos, podemos observar abordagens tipicamente naturalistas (Tales de Mileto, Anaximando de Mileto e Anaxímenes de Mileto) e outras mais abstratas conceitualmente, como no caso de Heráclito de Éfeso e Parmênides de Eleia.

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Relatório de Discussões do Grupo de Estudos - Grupo 1

Filosofia Pré-socrática - Parmênides de Eleia
Encontro do dia 04/09/13

- Os Pré-Socráticos foram os primeiros filósofos. Aqueles que começaram com as primeiras abordagens da filosofia. Preocupavam-se com questões naturais.
- Heráclito é o filósofo dos contrários e do Lógos (do grego, “palavra”, “discurso”, “razão”). Representa a corrente dos mobilistas, que centram sua reflexão no movimento para descrever a realidade.

sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Pronunciamento do Dia da Independência do Brasil

Pronunciamento do Dia da Proclamação da
Independência do Brasil

Na E.E. Ver. Elísio de Oliveira Neves


Sr. Diretor,
Vice-diretora,
Caros colegas professores,
Prezados alunos e toda a comunidade escolar,

Estamos aqui para fazer memória a um dos mais importantes fatos históricos de nosso país: A proclamação de sua Independência, que completa amanhã seu 191º aniversário.

Em 9 de dezembro de 1821, D. Pedro de Alcântara de Bragança recebeu os Decretos da Corte portuguesa, determinando, dentre outras coisas, seu imediato retorno à Portugal, a extinção dos tribunais do Rio de Janeiro e a obediência das províncias à Lisboa.

Já quase conformado, preparava seu regresso, tendo, porém, instaurado uma grande inquietação. Foram movidos por esta inquietação, que o Partido Brasileiro, José Bonifácio e todos aqueles que não queriam uma recolonização, articularam-se para convencer o Príncipe a permanecer no Brasil. Após receber as representações e cartas, D. Pedro decide ficar, desencadeando um forte apoio popular.